A história do 3D

Conheça a história de dois séculos de 3D

Tudo começou na curiosidade
Tudo começou na curiosidade

A tecnologia 3D pode parecer para muitos uma grande novidade, mas suas raízes são bastante antigas. Podem se citar desde os gregos — o matemático Euclides e a visão binocular — e os árabes com suas técnicas de desenho e noções de perspectiva; passando pelos estudos de Leonardo Da Vinci e Kepler e mestres como Giotto e Caravaggio com a ilusão de profundidade e elementos que 'saltavam' de suas telas. A tentativa de entender e reproduzir a visão em três dimensões captada pelo olho humano ocupa cientistas, matemáticos, artistas e curiosos há muito tempo.

Sir Charles Wheatstone, inventor do estereoscópio.

Foi no século XIX, em 1838, que o físico e inventor britânico Sir Charles Wheatstone criou o estereoscópio — dispositivo baseado numa combinação de prismas e espelhos que permitia ver imagens em 3D a partir de imagens 2D, mostrando que duas imagens visualmente combinadas podem criar a ilusão de profundidade e três dimensões.Em seguida, surgiu uma nova maneira de separar o par de imagens estereográficas: o anaglifo. O par de imagens era desenhado usando duas cores (vermelho e azul) e para vê-las em 3D, era usado um par de óculos com filtros coloridos (também azul e vermelho).


Considera-se The Power of Love como o primeiro filme 3D exibido.

Com dois projetores para criar a ilusão de profundidade, a produção norte-americana de 1922 usava a anaglifia. No início do século XIX, também os irmãos Lumiére realizaram uma série de experiências usando filmes anaglíficos. O anáglifo aparecia em quadrinhos, e também em pesquisas científicas e desenho industrial, campos em que a percepção de profundidade era útil. Modernamente, podemos citar a Nasa: a missão Stereo usa dois veículos orbitais que obtêm imagens tridimensionais do Sol.


Na década de 50, diversos títulos em 3D foram lançados, e a moda chegou também às revistas. Nas décadas a seguir, o cansaço visual e o custo alto das produções causaram uma queda nas produções tridimensionais. Mas nos anos 80, o 3D chegou aos parques temáticos como os da Disney.

Já nos anos 2000, o 3D digital deu nova vida à tecnologia e incentivou novas produções. Hoje, equipamentos de todos os tipos, e que inclusive começam a dispensar o uso dos óculos especiais, prometem facilidade de uso, praticidade, conforto e mais emoção com a tecnologia 3D. Falta ainda baratear os aparelhos e oferecer mais conteúdo. Mas isso, parece, é apenas uma questão de tempo.

Tags:


veja também


Total de comentários ()

Voltar para lista de notícias